Falando com o educador
   
Prioridade de secretários é melhorar infraestrutura da escola

Por Paula Thomaz, 05 de Março de 2013, 08:26:02

A principal prioridade da gestão de secretários municipais de Educação é melhorar a infraestrutura das escolas, seguida de perto por melhorar os níveis de aprendizagem dos alunos. A conclusão é da Segunda Pesquisa Nacional sobre o Perfil dos Dirigentes Municipais de Educação do Brasil, realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

A preocupação com os prédios e aparelhos precários das escolas aparece como primordial para 46,2% dos secretários. a aprendizagem dos estudantes vem logo a seguir, com 45,3%. Outras prioridades citadas foram: promover a formação continuada dos professores, com 33,4%; elaborar ou atualizar o Plano Municipal de Educação, com 28,8% e aumentar a participação das famílias e da comunidade, com 26,5%.

A pesquisa foi realizada entre março e agosto de 2010 e concluída no fim de 2011, o que significa que seus dados revelam a opinião de secretários das gestões que se encerraram em 2012. Segundo a Undime, com a posse dos novos prefeitos no início de 2013, houve uma renovação de 60% nos cargos de secretário de Educação no país. A participação foi voluntária e o questionário foi respondido pela internet. O estudo reúne informações e opiniões de 3.410 secretários municipais de Educação, representando 61% dos municípios brasileiros e 64,4% do total de matrículas sob responsabilidade dos municípios, segundo o Inep.

“O fato de a infraestrutura aparecer em primeiro lugar é uma preocupação, porque revela que o foco está na questão imediata, deixando a essência – o aprendizado – em segundo plano”, afirma Cleuza Repulho, presidente da Undime. “Isso não significa, é claro, que as más condições das escolas tenham de ser deixadas de lado. Existem escolas no Piauí, por exemplo, onde a temperatura nas salas de aula chega a 43 graus.”

Ocimar Munhoz Alavarse, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), concorda. “Os dados refletem uma concepção que ainda temos no Brasil de não colocar a aprendizagem no centro. Se ela não é tudo, deveria ser, no mínimo, o centro”, afirma. Segundo ele, a infraestrutura aparece com tanto destaque por razões políticasporque ajuda a agregar votosé mais visível. “Sabemos que a escola brasileira não é conhecida pela boa infraestrutura. Ela revela a realidade das unidades de ensino, o que gera sensibilidade.”

Transição
A pesquisa também traz dados nada animadores sobre os processos de transição pós-eleitoral. Mais da metade dos gestores (53%) afirmou que não houve transição política em seu município. Ou seja, nessas cidades, o dirigente assumiu sem ter conhecimento dos projetos e das atividades que estavam em processo na gestão anterior, o que compromete a continuidade das políticas públicas.

Avaliação
Um dos objetivos da pesquisa também foi avaliar o conhecimento do gestores sobre o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). De acordo com os dados, o percentual de dirigentes que consideraram o resultado de sua cidade ruim foi de 14,7%. A maioria, 42,7%, no entanto, acredita que o resultado conquistado em 2007, o mais atualizado na época em que a pesquisa foi feita, era bom. Cerca de 34% consideraram o nível como regular e somente 9,3% pensam que o resultado de sua rede foi ótimo.

Diagnóstico
Os secretários também foram perguntados sobre qual era, naquele momento, o principal problema que enfrentavam. Mais uma vez, a infraestrutura ocupou a primeira posição. O tema foi citado por 24% dos secretários. o baixo nível de aprendizagem dos alunos apareceu em nono lugar, numa lista de vinte itens, com 9,56%. Em segundo lugar, apareceu a pouca participação das famílias e da comunidade na vida escolar, com 16,2%, seguida, nessa ordem, pelos seguintes problemas: dificuldade de inclusão de alunos com necessidades especiais, com 13,1%; analfabetismo de jovens e adultos, com 13%; dificuldade na gestão dos recursos financeiros, com 12,23%; dificuldade em realizar o transporte escolar, com 12,2%; alunos estudando longe de casa, com 10,53%, e falta de vagas na Educação Infantil, com 10,82%. Os secretários podiam escolher mais de uma opção.

Famílias
O alto índice de respostas indicando como um dos principais problemas a falta de interação entre as famílias e a escola é, segundo os especialistas, parte de um discurso pronto. “Essa relação é importante, mas existe uma certa repetição dessa frase, sem muita reflexão. É preciso quebrar com isso para entender o que é e como realmente essas duas esferas podem interagir”, afirma Maria Amabile Mansutti, coordenadora técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec).

Cleuza também destaca essa dificuldade em chamar as famílias para as escolas. “Será que a unidade de ensino consegue acessar os pais? Será que os pais querem? Ou tentam e não são acolhidos? Como eu atraio as famílias? É complicado”, afirma.

Ela destaca um viés cultural para essa posição dos dirigentes. “Focar na aprendizagem e incorporar a ideia de que a escola é para todos ainda são coisas novas no Brasil”, afirma.

Para alguns especialistas, existem propostas bem sucedidas. Um exemplo éPrograma Interação Família e Escola de Taboão da Serra (SP), que promovia visitas dos professores às casas dos alunos. Os docentes recebiam cerca de R$ 30 por visita, realizada fora do seu horário de trabalho. Os encontros eram pré-agendados com a família da criança.

*Matéria originalmente publicada no site Todospelaeducação.com.br

Foto: Agência Brasil

 
Comentar Comentários (0)

Posts 1 a 1

1
Busca:

redes sociais

Acompanhe todas as novidades da DCL de uma maneira simples em sua rede social favorita

Curta nossa página /EditoraDCL

Siga-nos no Twitter @EditoraDCL

assine nosso canal dcleditora

dcl no instagram

newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades da Editora DCL

Nome: 

Email: 

mais recentes

Cartão do Educador dá desconto para compra em livraria (0)
Letramento: do que estamos falando? (0)
Blandina e Lollo estreiam na DCL com humor e muita pulga (0)
Adaptação literária - ler ou não ler? (0)
Diversão, cultura e interatividade. Tudo junto e misturado (0)

mais comentados

Desejos que se tornam realidade (6)
Criadores e criaturas (5)
Leia para uma criança (5)
Uma ideia na cabeça e uma tesoura na mão (5)
Aventuras no Bosque dos Cem Acres (4)

visite também

Adriana Peliano
Aline Abreu
Alzira Fragoso
Ana Kesselring
Ana Raquel
Andrea Ebert
André Neves
Angelo Abu
Anna Cláudia Ramos
Beatriz Milhazes
Biry Sarkis
Candace Fleming
Cárcamo
Celeste Davidson Mannis
Chris Woodford
Christina Dias
Claudio Fragata
Cris Eich
Cristina Biazetto
Deborah Hopkinson
Denise Milan
Editora DCL
Elisabeth Teixeira
Ellen Pestili
Fátima Miguez
Felix Reiners
Fernando Vilela
Flávia Côrtes
Gabriel Veiga Jardim
Glaucia de Souza
Graça Lima
Gustave Doré
Guto Lacaz
Guto Lins
Hermes Bernardi Júnior
Hortência Barreto
Ieda de Oliveira
Ilan Brenman
Ingrid Biesemeyer Bellinghausen
Ivan Zigg
Josely Carvalho
Julie Bertagna
Katia Canton
Lalau
Laura Bergallo
Laurabeatriz
Leda Catunda
Lelis
Lenice Gomes
Lucia Hiratsuka
Luciana Savaget
Luis Dill
Maurício Pereira
Nelson Cruz
Nilma Lacerda
Ninfa Parreiras
Olívio Jekupé
Regina Gulla
Renato Moriconi
Ricardo Costa
Ricardo Rodrigues
Rogério Andrade Barbosa
Rogério Coelho
Rosana Rios
Roseana Murray
Rosinha Campos
Rui de Oliveira
Sandra Pina
Sonia Rosa
Stela Barbieri
Suppa
Tiago de Melo Andrade
Ulisses Tavares
Victor Tavares

arquivos

2014
2013
2012
2011

tags